Jully lança o álbum ‘SOS’

0
258

Jully reúne nove singles já lançados e sete músicas novas em ‘SOS’, um trabalho que pede socorro, consciência e uma nova atitude em relação à Terra

Ouça aqui SOS: https://tratore.ffm.to/-sos

Por Chris Fuscaldo, jornalista e pesquisadora musical
Depois de chamar a atenção para os problemas do planeta através de nove canções lançadas entre o final de 2020 e 2023, a cantora e compositora Jully apresenta o álbum “SOS” em sua versão final: além dos singles, sete novas faixas trazem temas que só uma ativista como ela conseguiria colocar em pauta no mercado da música. A própria faixa-título já começa dando um recado e, com a parceria da cantora franco-brasileira Virginie Boutaud (mais conhecida pelo início da carreira junto à banda oitentista Metrô), deixa claro em duas línguas que é preciso cuidar do mundo todo: “O planeta pede paz”, recita Jully já na introdução.

“O álbum ‘SOS’ é um pedido de socorro do planeta e dos outros animais que aqui habitam, os quais estão sendo dizimados por nós, seres humanos. Está na hora de entendermos que somos todos animais moradores deste planeta, e todos merecemos ter nossos direitos básicos respeitados, independente da espécie ou qualquer outra classificação que nos defina. Fazemos parte da Terra, e precisamos entender que, sem a natureza, não somos nada”, afirma Jully, recém-premiada na categoria Música Eletrônica do Prêmio Profissionais da Música 2023, realizado entre os dias 02 e 03 de junho.

A cantora e compositora já trouxe a questão dos animais à tona em “Somos Todos Um”, cantou a morte e a apatia vivenciada no Brasil da pandemia em “Distopia”, convidou o ouvinte para uma mudança individual em “Tears of Fireflies” e chamou a atenção para a covardia de humanos com os animais em “Milk” e em “Stolen Babies”. “Humanizar” deu um feedback sobre o impacto do que tem sido feito com o planeta e “The Begining” falou sobre cuidar da Terra e buscar outras formas de interação com o planeta.

Em “Libertação”, Jully enfatizou que todos os seres deveriam ter seus direitos básicos respeitados. Em “Out of Time”, avisou que o tempo para impedirmos maiores catástrofes na Terra está acabando. Músicas lançadas em português, em inglês e agora em francês, para o mundo ouvir e refletir, chegam às plataformas no dia 09 de junho (sexta-feira) formando uma narrativa completa em plena Semana Mundial do Meio Ambiente (5 a 9 de junho):

“Durante a pandemia senti um forte chamado para trazer, através da música, mensagens de consciência e transformação, em prol de um mundo mais ético e justo para todos os seres. Quando produzi
‘Somos Todos Um’, primeiro single que lancei deste álbum, senti um chamado a elevar a voz dos animais e dar visibilidade para eles. A sexta extinção em massa está em andamento e continuamos nos ocupando com valores superficiais e ultrapassados.”

Com as novas faixas – “Atualidade”, “Alma”, “Temptation”, “Veneno”, “Guardian”, “Prelúdio” e “SOS” – o álbum poliglota “SOS” também veio acompanhado de diversos clipes, todos tocantes. Das novas, a faixa-título chega com clipe dirigido por Levindo Carneiro no qual pode-se ver Virginie Boutaud, ativista como Jully, cantando em francês: “Un cataclysme, un brouillard, un tremblement de terre, une balle dans la poitrine”, versão em francês do refrão cantado pela parceira (“Um cataclisma, um nevoeiro, um terremoto, um tiro no peito”). Além dessa participação e da do paranaense Marano – na já divulgada faixa “Out of Time”Jully divide “Temptation” com o cantor norte-americano Johnny O.
O álbum tem produção musical e arranjos do sul-africano radicado no Brasil Grenville Ries: todas as músicas do álbum, com exceção de “SOS” – que é parceria com Virginie Boutaud – são assinadas por Jully, que compõe ao piano e violão. Carlos Trilha assina a mixagem e a masterização. A imagem da capa foi feita pelo filho da cantora Marcus Beretta.

O assunto é tão potente e tem tão poucas vozes no mundo artístico levando essa mensagem à frente que o resultado do trabalho da artista vem alcançando outros países, como a Rússia.

“Não cabe mais nos dias de hoje, com tanta riqueza de informação e tecnologia, vivermos às custas da exploração alheia. A Terra nos dá fartura de alimento e todo tipo de matéria-prima para que possamos desenvolver um mundo pacífico sem dominação do mais fraco e vulnerável, e sem poluirmos o solo, a água e o ar com os restos de seus corpos violentados”, resume a cantora e compositora, cuja estética é muito particular e a torna, sem dúvida, a primeira e maior representante dos direitos do planeta Terra no mundo da música.
 
 
Siga JULLY 
 
Spotify: https://open.spotify.com/artist/0gtVI2GfM4Qubu01F7vE3H?si=pkSKj26kSfSCJweRJm432g
Apple Music: https://music.apple.com/br/artist/jully/277808547?l=en
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UC11zOUGds9ttcFVJp1AYe7g
Instagram: https://instagram.com/jullymusik?utm_medium=copy_link
Facebook: https://www.facebook.com/jullymusik/ 
 
https://www.jullymusik.com.br/

Deixar um compentário

Please enter your comment!
Please enter your name here